Já está comprovado que as células tronco podem ser utilizadas no tratamento de diversas doenças, como leucemias e linfomas. A boa notícia é que, além de serem conseguidas através do cordão umbilical, essas células estão presentes também na polpa do dente. Para os pais que não fizeram o congelamento do cordão umbilical, essa é uma alternativa fácil e menos invasiva. Além da facilidade, a polpa do dente ainda tem outra grande vantagem: pode servir não só ao doador, mas também a toda sua família.
A obtenção da polpa do dente de leite também é um processo fácil. É não-invasivo e pode ser feita naturalmente, durante o período de troca dos dentes da criança, entre os 5 e 12 anos. Mas atenção: o dente tem que ser extraído quando começar a amolecer. Não pode esperar cair! Essas células tronco são células jovens e de excelente qualidade e quantidade, sendo indicadas para um futuro tratamento de doenças degenerativas.
A polpa do dente é uma pequena massa de tecido vivo, composta de vasos sanguíneos, nervos e células tronco, que têm a capacidade de se transformar em diferentes tipos de células, como miócitos (reparação do tecido muscular), cardiomiócitos (reparação do tecido cardíaco), neurônios e células da glia (reparação do tecido nervoso), osteócitos (reparação de ossos), condroblastos (reparação de cartilagem) e células epiteliais (reparação da pele e da superfície ocular).
Depois da obtenção das células tronco, é necessário procurar um banco de armazenamento profissional.